05/02/2018

Mais novidades sobre o sistema TRAPPIST-1

Novas pistas para composição planetária do TRAPPIST-1: atmosferas

Desde de o ano em que a NASA anunciou os sete planetas do tamanho da Terra no sistema TRAPPIST-1, os cientistas têm trabalhado arduamente para entender melhor esses mundos atraentes, apenas a 40 anos-luz de distância. Graças aos dados de uma combinação de telescópios espaciais e terrestres, sabemos mais sobre TRAPPIST-1 do que qualquer outro sistema planetário além do nosso sistema solar.

Um novo estudo na revista Astronomia e Astrofísica, usando dados dos telescópios espaciais Spitzer e Kepler da NASA, oferece a melhor imagem do que esses planetas são feitos. Eles usaram as observações do telescópio para calcular as densidades mais precisamente do que nunca, e usaram esses números em simulações complexas. Os pesquisadores determinaram que todos os planetas são principalmente feitos de rochas. Além disso, alguns têm até 5% de sua massa em água, o que é 250 vezes maior do que os oceanos na Terra.

A forma que a água toma nos planetas TRAPPIST-1 dependeria da quantidade de calor que eles recebem de sua estrela anão ultra-fria, que é apenas cerca de 9 por cento tão maciça quanto o nosso Sol. Os planetas mais próximos da estrela são mais propensos a hospedar a água sob a forma de vapor atmosférico, enquanto os mais distantes podem ter água congelada em suas superfícies, como gelo. TRAPPIST-1e é o planeta mais rochoso de todos eles, mas ainda acredita-se ter o potencial de hospedar água líquida.

A questão das atmosferas dos planetas também é importante para entender se a água líquida pode estar presente nessas superfícies - um ingrediente essencial para a habitabilidade. O telescópio espacial Hubble da NASA já pesquisou seis dos sete planetas TRAPPIST-1, e novos resultados em quatro deles estão publicados na Nature Astronomy. No novo estudo, o Hubble revela que pelo menos três dos planetas TRAPPIST-1 - d, e e f - não parecem conter ambientes inchados e ricos em hidrogênio como os gigantes de gás de nosso próprio sistema solar. O hidrogênio é um gás com efeito de estufa, e tornaria esses planetas fechados quentes e inóspitos para a vida.

Em 2016, as observações de Hubble também não encontraram evidências de atmosferas de hidrogênio em c e d. Esses resultados e os novos, em vez disso, favorecem ambientes mais compactos como os da Terra, Venus e Marte. São necessárias observações adicionais para determinar o teor de hidrogênio da atmosfera do planeta g.

Ambos os estudos ajudam a abrir caminho para o Telescópio Espacial James Webb da NASA, programado para ser lançado em 2019. O Webb irá aprofundar as atmosferas planetárias, buscando gases mais pesados, como dióxido de carbono, metano, água e oxigênio. A presença de tais elementos poderia oferecer indícios de se a vida poderia estar presente, ou se os planetas são habitáveis.

TRAPPIST-1 foi nomeado pelo Transiting Planets and Planetesimals Small Telescope (TRAPPIST), no Chile, que descobriu dois dos sete planetas TRAPPIST que conhecemos hoje - anunciado em fevereiro de 2016. O telescópio espacial Spitzer da NASA, em colaboração com telescópios terrestres, confirmou esses planetas e descobriu os outros cinco no sistema.

(Texto traduzido e adaptado)
FONTE: NASA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Estudando o Universo - 2017. Tecnologia do Blogger.