06/01/2018

SOFIA entra em operação a partir desse ano (2018)

SOFIA, do Observatório de Voo da NASA, explora o universo magnético e além

O Observatório Estratosférico da NASA para Astronomia Infravermelha, SOFIA, está se preparando para a campanha de observação de 2018, que incluirá observações de campos magnéticos celestiais, regiões formadoras de estrelas, cometas, a lua gigante de Saturno Titã e muito mais.

Este será o quarto ano de operações completas da SOFIA, com observações planejadas entre fevereiro de 2018 e janeiro de 2019. Os vôos de pesquisa serão realizados principalmente a partir da base da SOFIA no Centro de Pesquisa de Vôo Armstrong da NASA. Os destaques dessas observações incluem:

  • O instrumento mais novo do observatório, a câmera de alta velocidade Airborne Wideband Camera, chamado HAWC +, continuará a pesquisa com o seu polarímetro, um dispositivo que mede o alinhamento das ondas de luz recebidas. Essas investigações ajudarão os pesquisadores a entender como os campos magnéticos afetam a taxa em que as nuvens interestelares se condensam para formar novas estrelas.
  • Um desses programas usará o instrumento para entender o impacto que os campos magnéticos têm nas estrelas formando-se dentro de uma nuvem escura, um berçário estelar cheio de poeira e moléculas, chamado L1448.
  • O instrumento HAWC + também será usado em um programa de pesquisa conjunta com o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array para rastrear campos magnéticos para entender melhor como os planetas se formam.
  • Outro programa que usa o instrumento HAWC + ajudará os astrônomos a entender melhor como os buracos negros energéticos e ativos contribuem para as galáxias mais luminosas e distantes. Essas observações irão ajudá-los a saber se a luminosidade desses buracos negros ativos é conduzida pela formação de estrelas ou acréscimo de material no buraco negro central.
  • Os pesquisadores continuarão a procurar metano em Marte. A SOFIA realizará observações durante a mesma temporada marciana que o Curiosity Rover detectou anteriormente o gás para entender melhor como os níveis de metano mudam com as estações do planeta vermelho.
  • Outra equipe de pesquisadores planeja estudar o cometa 46P / Writanen à medida que passa perto da Terra, para buscar pistas no pó do cometa que possam ajudar a entender melhor a evolução do sistema solar inicial.

Em junho e julho, a SOFIA retornará a Christchurch, na Nova Zelândia, para estudar objetos que são melhor vistos do Hemisfério Sul, incluindo as galáxias vizinhas, as Grandes e Pequenas Nuvens de Magalhães. As observações planejadas enquanto operam a partir daí incluem:

  • Os pesquisadores criarão um mapa em larga escala da maior região formadora de estrelas na Grande Nuvem de Magalhães, 30 Doradus, (também conhecida como Nebulosa da Tarântula). Este mapa será usado como um modelo para a compreensão de rajadas de formação de estrelas que são a origem de uma grande parte das estrelas em todas as galáxias.
  • O instrumento HAWC + será a bordo da SOFIA para suas primeiras observações do Hemisfério Sul, para estudar campos magnéticos em regiões formadoras de estrelas e em torno de buracos negros nas Grandes e pequenas Nuvens de Magalhães.
  • Os pesquisadores irão utilizar a mobilidade da SOFIA para estudar a atmosfera da lua Titã de Saturno, estudando sua sombra à medida que passa na frente de uma estrela durante um evento parecido ao eclipse chamado uma ocultação. Essas observações de ocultação fazem parte de um esforço para monitorar mudanças na atmosfera de Titã ao longo do tempo, agora que a missão da nave espacial Cassini terminou.

SOFIA é um avião de passageiros Boeing 747SP modificado para transportar um telescópio de 100 polegadas de diâmetro. É um projeto conjunto da NASA e do Centro Aeroespacial Alemão, DLR. O Centro de Pesquisa Ames da NASA no Silicon Valley da Califórnia gerencia o programa SOFIA, as operações científicas e de missão em cooperação com a Associação de Pesquisa Espacial das Universidades, sediada em Columbia, Maryland, e o Instituto Alemão SOFIA (DSI) da Universidade de Estugarda. A aeronave é baseada no Hangar 703 do Centro de Pesquisa de Vôos Armstrong da NASA, em Palmdale, Califórnia.

(Texto traduzido e adaptado)
FONTE: NASA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Estudando o Universo - 2017. Tecnologia do Blogger.