07/01/2018

Foco na Lua: China que vai levar insetos e plantas ao lado escuro lunar

A China estará levando insetos e plantas para a superfície da Lua este ano

Não seria exagero dizer que vivemos em uma era de exploração espacial renovada.

Em particular, a Lua tornou-se o ponto de foco e têm aumentado a atenção nos últimos anos. Além da recente iniciativa do presidente Trump para a NASA retornar à Lua, muitas outras agências espaciais e empresas aeroespaciais privadas estão planejando suas próprias missões na superfície lunar.

Um bom exemplo é o Programa de Exploração Lunar da China (CLEP), também conhecido como o Programa Chang'e. 
Nomeado em homenagem à antiga deusa lunar chinesa, este programa já enviou dois orbitadores e um único caminho para a Lua. E no final deste ano, a missão Chang'e 4 começará a partir para o outro lado da Lua, onde estudará a geologia local e avaliará os efeitos da gravidade lunar sobre insetos e plantas.

A missão consistirá em lançar um retransmissor a bordo de um foguete de Long March 5 em junho de 2018. Este retransmissor assumirá a órbita em torno do ponto de Lagrange da Lua Terra-Lua, seguido do lançamento do lander e rover cerca de seis meses depois.

Além de um conjunto avançado de instrumentos para estudar a superfície lunar, o lander também estará carregando um recipiente de liga de alumínio cheio de sementes e insetos.
Como Zhang Yuanxun - designer-chefe do contêiner - disse ao Chongqing Morning Post (de acordo com a China Daily):

"O recipiente enviará batatas, sementes de arabidopsis e ovos de bicho da seda para a superfície da Lua. Os ovos irão chocar em bichos de seda, que podem produzir dióxido de carbono, enquanto as batatas e as sementes emitem oxigênio através da fotossíntese. Juntos, eles podem estabelecer um ecossistema simples na Lua."

A missão também será a primeira a ser enviada para uma região inexplorada no outro lado da Lua.
Esta região não é outra senão a Bacia do Pólo Sul-Aitken, uma vasta região de impacto no hemisfério sul. Medindo aproximadamente 2.500 km (1.600 mi) de diâmetro e 13 quilômetros (13 mi) de profundidade, é a maior bacia de impactos da Lua e uma das maiores do Sistema Solar.

Esta bacia também é fonte de grande interesse para os cientistas, e não apenas por seu tamanho.

Nos últimos anos, descobriu-se que a região também contém grandes quantidades de água congelada. Estes são pensamentos sobre os resultados de impactos por meteoros e asteroides que deixaram gelo de água que sobreviveu por causa da forma como a região está permanentemente sombreada.

Sem a luz solar direta, o gelo da água nessas crateras não foi sujeito a sublimação e dissociação química.

Desde a década de 1960, várias missões exploraram esta região a partir da órbita, incluindo as missões Apollo 15, 16 e 17, o Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO) e o orbiter Chandrayaan-1 da Índia.

Esta última missão (que foi montada em 2008) também envolveu o envio da Sonda de Impacto Lunar na superfície para desencadear o lançamento do material, que foi analisado pelo orbiter.

A missão confirmou a presença de água congelada na Cratera Aitken, uma descoberta que foi confirmada aproximadamente um ano depois pela LRO da NASA.

Graças a esta descoberta, houveram vários na comunidade de exploração espacial que declararam que a Bacia do Pólo Sul-Aitken seria o local ideal para uma base lunar. Sobre isso, a missão Chang'e 4 está investigando a própria possibilidade de que os seres humanos vivam e trabalhem na Lua.

Além de nos contar mais sobre o terreno local, também irá avaliar se os organismos terrestres podem ou não crescer e prosperar na gravidade lunar - o que representa cerca de 16 por cento da gravidade da Terra (ou 0.1654 g).

Estudos anteriores realizados a bordo da ISS mostraram que a exposição a longo prazo à microgravidade pode ter efeitos consideráveis ​​sobre a saúde, mas pouco se sabe sobre os efeitos a longo prazo da gravidade mais baixa.

A Agência Espacial Européia também falou sobre a possibilidade de construir uma Vila Lunar Internacional na região polar do sul até a década de 2030.

Intrínseco a isso é o proposto Lunar Polar Sample Returnmission, um esforço conjunto entre a ESA e a Roscosmos, que envolverá o envio de uma sonda robótica para a Bacia do Pó Sul-Aitken da Lua até 2020 para recuperar amostras de gelo.

No passado, a NASA também discutiu ideias para a construção de uma base lunar na região polar sul.

Em 2014, os cientistas da NASA se encontraram com a geneticista George Herd de Harvard, Peter Diamandis (criador da X Prize Foundation) e outras partes para discutir opções de baixo custo.

De acordo com os documentos que resultaram da reunião, essa base existiria em um dos pólos e seria modelada na Estação Antártica dos EUA no Pólo Sul.

Se tudo correr bem para a missão Chang'e 4, a China pretende acompanhá-lo com mais missões robóticas e uma tentativa de missão tripulada em cerca de 15 anos. Também falamos sobre incluir um radiotelescópio como parte da missão.

Este instrumento RF seria implantado no lado oposto da Lua, onde não seria distribuído por sinais de rádio provenientes da Terra (o que é uma dor de cabeça comum quando se trata de radioastronomia).

E, dependendo do que a missão pode nos informar sobre a Bacia do Pólo Sul-Aitken (ou seja, se o gelo da água é abundante e a radiação tolerável), é possível que as agências espaciais enviem mais missões lá nos próximos anos.

Alguns deles podem estar carregando robôs e materiais de construção!

(Texto traduzido e adaptado)
FONTE: Science Alert

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Estudando o Universo - 2017. Tecnologia do Blogger.