22/12/2017

Asteroide com formato de crânio voltará a passar pela Terra próximo ano

Este asteroide em forma de crânio está voltando para aterrorizar a Terra no próximo ano

Você provavelmente não vai vê-lo, mas em 2018, um pequeno objeto do Sistema Solar nos pagará uma segunda visita desde sua descoberta em 2015. É chamado 2015 TB145, também conhecido como o Asteroide do Dia das Bruxas - e por uma boa razão.

É simplesmente perfeito. Parece um pouco com um crânio humano em certas condições; é tão escuro como carvão; sua aproximação mais próxima da Terra na sua visita anterior foi em 31 de outubro de 2015; e provavelmente é um cometa morto.

Você pode não obter uma melhor conciliação de circunstâncias relacionadas com a temática.
Ainda assim, haverá algumas diferenças com a visita do próximo ano. O primeiro voo conhecido do asteroide do Dia das Bruxas foi muito próximo - ele passou pela Terra, apenas na órbita da Lua, a 486 000 quilômetros (302,000 milhas).

Mas tem uma grande inclinação orbital, ou órbita altamente inclinada, então quando ele oscila pela Terra, a distância entre nós varia. A aproximação em 2015 foi o mais próximo que o asteroide será para nós por mais 500 anos.


Também não nos visita somente no Halloween. Seu período orbital é de 1.112 dias, ou pouco mais de três anos. Então, toda vez que se aproxima, é apenas um pouco mais depois, no ano que estamos, do que a última vez.

O voo de 2018 acontecerá no início de novembro, e o asteroide estará muito mais distante - cerca de 105 vezes a distância entre a Terra e a Lua.

No entanto, é um objeto fascinante, e - uma vez que eles sabiam que estava lá fora - os pesquisadores fizeram um esforço para estudá-lo com mais detalhes.

Usando uma variedade de telescópios, eles conseguiram aprender muito sobre o asteroide durante sua abordagem de 2015, sua chegada e partida.

"O objeto mede entre 625 metros e 700 metros, sua forma é um elipsoide ligeiramente achatado, e seu eixo de rotação é aproximadamente perpendicular à Terra no momento de sua proximidade mais próxima", disse o astrofísico Pablo Santos-Sanz do Instituto de Astrofísica de Andaluzia.

"Além disso, a sua inércia térmica (a quantidade de calor que retém e a velocidade na qual ele absorve ou transfere calor) é consistente com a de asteroides de tamanho similar".

A razão pela qual não foi descoberta até 2015 foi parcialmente porque ele passa a maior parte do tempo além de Marte, e é muito pequeno.

Mas também, como descobriram os pesquisadores, muito sombrios - o albedo, ou a quantidade de luz que reflete, era aproximadamente equivalente ao de um pedaço de carvão.

Enquanto isso, a excentricidade e inclinação orbital do objeto sugerem que o asteroide já foi um cometa que desde então perdeu todos os seus compostos voláteis após numerosas órbitas ao redor do Sol e agora é uma pedra morta que voa pelo espaço.

(Texto traduzido e adaptado)
FONTE: ScienceAlert

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Estudando o Universo - 2017. Tecnologia do Blogger.